tradução

elegia a uma máquina avariada

patrick phillips

O meu pai tentava
arranjar alguma coisa

e eu ali me sentei a assistir,
como costumava fazer
sempre que alguma coisa

corria errado.
Questionei-o repetidamente sobre onde tinha andado
até que pousou a chave inglesa
e disse: Escuta
morrer é apenas algo

que acontece às vezes.
Quem sabe
de onde vem essa espécie de sonho?
Por que razão algumas coisas

desvanecem, e outras
simplesmente permanecem eternamente?

Como a expressão da sua face
quando fixava o olhar em alguma coisa

Eu nunca poderia sobreviver
na garagem sombria,
o seu ouvido prensado
ao que quer que seja
que tivesse morrido-
os seus olhos atentos a algo

tão profundo, que pensei
até o silêncio,
se escutares,
significa alguma coisa.

Poema “Elegy For A Broken Machine”, da obra homónima (2015)

elegy for a broken machine

My father was trying
to fix something

and I sat there just watching,
like I used to,
whenever something

went wrong.
I kept asking where he’d been,
until he put down a wrench,
and said Listen:
dying’s just something

that happens sometimes.
Who knows
where that kind of dream comes from?
Why some things

vanish, and some
just keep going forever?

Like that look on his face
when he’d stare off at something

I could never make out
in the murky garage,
his ear pressed
to whatever it was
that had died-
his eyes listening for something

so deep inside it, I thought
even the silence
if you listened,
meant something.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on pocket
Bruno Fidalgo de Sousa

Bruno Fidalgo de Sousa

Depois da dança, o lobo avança, encontra a curva.

PARTILHAR