Another Place, Antony Gormley, 1997

NUNCA A BOCA ME SOUBE TANTO A SILÊNCIO

Derrama-se pelos olhos a mudez que não se diz.
Nunca a boca me soube tanto a silêncio…
São as coisas a saberem a coisas no final de tudo.

Tudo, não deixa de ser uma só única coisa,
Aquilo que foste ainda te sobra no que és,
Então, decidi deixar o mar à porta.

Diluem-se as águas no sal de um oceano,
Revoltas em fogo que nunca desacreditou de arder,
Corroendo os cascos dos barcos que teimaram em navegar.

Não sei se teime, não sei se teime em deixar-me o sal arder,
Que já nem a espuma das ondas sustenho ao chegar-me aos dedos,
Mas afinal, o que é correr na praia com a boca a saber insossa?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on pocket
Sara Martins

Sara Martins

Designer de profissão, "No Avesso das Horas" é o seu primeiro livro (Epopeia Books)

PARTILHAR