NÃO É NADA QUE O TEMPO POSSA EMPURRAR

Não é nada que o tempo possa empurrar
Não é nada que o mar possa levar
E por mais que escaves a terra
A impossibilidade permanece…
Espera um pouco
Deixa que te tente explicar,
É uma espécie estranha de angústia
Não é a saudade dos poemas comuns
Nem a revolta contra a efemeridade dos dias
É antes como um luto constante de mim…
Entendes?
Não é também o ranger dos ossos
Nem o ar frio a rasgar mais fundo,
Sempre um pouco mais fundo na pele…
É o só já não haver medo no fim da esperança
Entendes?
É o sorriso ter ficado difícil, pesado.
É a cada passo dado a curva possível que não dei
E é no espelho os olhos baços…
Entendes?
Entendes como seria não saberes roubar a luz de
todos os lugares que pisas?
Deixa que te explique…
Espera um pouco…

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on pocket
Tiago Marcos

Tiago Marcos

Nasceu em 1987 e a data da morte ainda está por apurar

PARTILHAR