Fotografia de Eduardo Tomé

CLUBE DOS POETAS MORTOS

MÁRIO CESARINY

Diz-se ser ele o principal representante do surrealismo português. Poeta e pintor, dissidente e controverso, Mário Cesariny é uma figura incontornável da cena literária nacional – em Paris, a curta convivência com André Breton ajudou-o a clarificar o caminho do surreal e a afastar-se do neo-realismo vigente à data, daí que a sua estética experimentalista e q.b. anárquica pareça dançar no limbo do rotineiro e da extravagância, tanto na escrita como na pintura. Faleceu em 2006, aos 83 anos.

PASTELARIA

Afinal o que importa não é a literatura nem a crítica de arte nem a câmara escura
Afinal o que
importa não é bem o negócio
nem o ter dinheiro ao lado de ter horas de ócio
Afinal o que
importa não é ser novo e galante
– ele há tanta maneira de compor uma estante
Afinal o que
importa é não ter medo: fechar os olhos frente ao precipício

e cair verticalmente no vício

Não
é verdade rapaz? E amanhã há bola
antes de haver cinema madame blanche e parola
Que afinal
o que importa não é haver gente com fome
porque assim como assim ainda há muita gente que come
Que afinal
o que importa é não ter medo
de chamar o gerente e dizer muito alto ao pé de muita gente:
Gerente! Este leite está azedo!
Que afinal
o que importa é pôr ao alto a gola do peludo
à saída da pastelaria, e lá fora – ah, lá fora!
– rir de tudo
No riso admirável
de quem sabe e gosta
ter lavados e muitos dentes brancos à mostra 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on pocket
DILÚVIO

DILÚVIO

Uma revista digital de publicação literária e divulgação artística.

PARTILHAR