Fotografia de Vitorino Coragem

CLUBE DOS POETAS MORTOS

MANUEL CINTRA

Com uma vida dedicada às artes, à poesia (e à sua divulgação), ao teatro, à tradução, à música, à interpretação, Manuel Cintra nasce em Lisboa, em 1956. As suas palavras são íntegras, intensas, platónicas. Um poeta e, ainda além, artista, cuja obra se manterá refém da memória. Manuel Cintra despede-se de nós a 4 de junho de 2020. Do seu Facebook, onde partilhava os seus versos, retiramos o seguinte poema:

PRESTES A CAIR

Há coisas que não perdem valor.
São poucas, mas parece que existem.
As pétalas de uma rosa que não se chegou a oferecer.
Mas que tinha destino. As pétalas foram-se,
mas o que ficou é precioso. Não tem nome.
Quase não existe. É essa substância ínfima
que nos sustenta perto de um galho prestes a cair.
Rumo ao infinito. Como a vida.

Há amarguras que um dia ficam doces.
Ninguém fez nada, ninguém sabe porquê.
Uma pálpebra moveu-se. Um dedo, no escuro, vibrou
a nota certa.

E solta-se uma explosão de lágrimas.
Retidas durante anos, até extinguir a seca.
O voo acaba ali. Algo fica mais leve.

Algo não morre.

Manuel Cintra
12 de outubro de 2019
19h18.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on pocket
DILÚVIO

DILÚVIO

Uma revista digital de publicação literária e divulgação artística.

PARTILHAR