Daydreamer -Required Reading, Carl Larsson

III
XIX poesia vi

pouso baudelaire na beira da janela
olho impaciente a janela embaciada
entre as gotas da humidade vejo um
carro lá fora a subir a encosta rumo
ao nevoeiro, parece desviar-se destino
à lua, abranda, encosta, uma porta aberta
alguém se aproxima em passo acelerado
um beijo apressado uma mão no rosto
porta fechada, o carro arranca devagarinho
perco-o de vista para sempre
não lerei mais baudelaire por hoje
já vi poesia que chegue

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on pocket
Rui Sobral

Rui Sobral

Escritor que lê, escreve e medita. E repete todos os dias, não necessariamente na mesma ordem.

PARTILHAR