Stabat Mater, Roberto Fiore

RUI SOBRAL

III
XIII vala só minha

o pó das cinzas minhas
neste mundo derramadas
oh vala triste que me tens
sempre tão morto
tão morto e preocupado
de fracassar cansado
de em alto mar, à vela, naufragado
a esbravejar
de em alto mar, à vela, naufragado
a esbravejar, a esbravejar
sempre tão morto
sempre à espera
que a vala me torne
morto descansado
morto que um dia
esbravejou
em terra e alto mar
até lutar não mais poder

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on pocket
Rui Sobral

Rui Sobral

Escritor que lê, escreve e medita. E repete todos os dias, não necessariamente na mesma ordem.

PARTILHAR