III
XII eco à saliva tua

apareceste-me de noite
gritar não conseguia
era vazia a minha voz
o eco quente que se fazia
perdido agora
perdido antes
perdido sempre
oh, sorte, sorte minha
oh, amante, amante minha
vestida de fome engoliste
a saliva
minha, saliva tua
minha
tua
tão tua

Woman II, Willem de Kooning ,1952
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on pocket
Rui Sobral

Rui Sobral

Escritor que lê, escreve e medita. E repete todos os dias, não necessariamente na mesma ordem.

PARTILHAR