II
I mar coração velho

disseste-me vai afoga-te nas palavras minhas
e eu tolo
à procura delas
voltei no tempo
e do teu mar para nele me afogar
e fugi do tempo outra vez (como antes)
enquanto o tempo perseguia devagar
entre colinas que ficaram por subir
imaginadas em tardes inférteis nossas
tão esperançosas tardes na época dos sonhos

afoguei-me no mar teu
mal o encontrei nu de vida
em instantes vividos
naquelas tardes de taquicardias voluntárias

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on pocket
Rui Sobral

Rui Sobral

Escritor que lê, escreve e medita. E repete todos os dias, não necessariamente na mesma ordem.

PARTILHAR