FIAMA HASSE PAIS BRANDÃO

Poeta, dramatruga, ensaísta e tradutora, Fiama Hasse Pais Brandão ainda é um nome debilmente iluminado pelos holofotes da cultura portuguesa. A sua obra é vasta e referencialmente rica, harmoniosamente simbólica. Na prosa, destaca-se com Em cada pedra um voo imóvel; na poesia, faz parte da revista Poesia 61, onde publicou Morfismos: a primeira foi inclusive galardoada com um Prémio Adolfo Casais Monteiro; traduziu obras de Bertrold Brecth, Antonin Artaud ou Anton Tchekov e esteve presente em várias revistas literárias e antalogias poéticas; sempre intimamente ligada ao Teatro e às Artes. Faleceu neste dia, com 68 anos, em 2007.

os amigos que morrem

Os amigos que morrem são arbóreos,
plantados e memoráveis como freixos.
Um freixo, que vejo entre árvores
como a aura, o tronco novo
sulcado de rasgões, a raiz curta
comparável à memória viva enterrada.
Têm uma única forma até à morte, próximos do Sol,
que torna as outras árvores mais ténues que os isolados freixos.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on pocket
DILÚVIO

DILÚVIO

Uma revista digital de publicação literária e divulgação artística.

PARTILHAR