FERNANDO PESSOA

Fernando Pessoa recusa apresentações. É indiscutivelmente  um dos mais reconhecidos poetas portugueses e da Língua Portuguesa, um escritor universal e intemporal. A sua obra divide-se em 72 heterónimos, semi-heterónimos e personalidades literárias, escrevendo inclusive em inglês – língua que adotou ao estudar em África do Sul – e deixou no seu arquivo livros como “Mensagem” ou o aclamado “Livro do Desassossego”. Ainda hoje, o número de leitores pessoanos continue a crescer. Singular e irrepetível, a marca que deixou na literatura portuguesa é tão imensa que ganha vida própria. Muito se podia dizer sobre Fernando Pessoa: poeta da geração d’Orpheu, tradutor, fascinado pelo oculto e pelo espírito e cujo legado é reconhecido globalmente. Descrever a sua biografia seria, certamente, infrutífero e, de tal modo, relembramo-lo somente com um dos seus poemas ortónimos, “Liberdade”, e deixamos as suas palavras dizer o resto. Nascido em Lisboa em 1888, Fernando Pessoa faleceu neste dia, 30 de novembro, há 84 anos.

LIBERDADE

Ai que prazer
Não cumprir um dever,
Ter um livro para ler
E não o fazer!
Ler é maçada,
Estudar é nada.
O sol doira
Sem literatura.
O rio corre, bem ou mal,
Sem edição original.
E a brisa, essa,
De tão naturalmente matinal,
Como tem tempo não tem pressa…

Livros são papéis pintados com tinta.
Estudar é uma coisa em que está indistinta
A distinção entre nada e coisa nenhuma.

Quanto é melhor, quanto há bruma,
Esperar por D. Sebastião,
Quer venha ou não!

Grande é a poesia, a bondade e as danças…
Mas o melhor do mundo são as crianças,
Flores, música, o luar, e o sol, que peca
Só quando, em vez de criar, seca.

O mais do que isto
É Jesus Cristo,
Que não sabia nada de finanças
Nem consta que tivesse biblioteca…

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on pocket
DILÚVIO

DILÚVIO

Uma revista digital de publicação literária e divulgação artística.

PARTILHAR