É preciso viver sem paixões.
Mergulhar no absoluto anonimato,
Permanecer morto ou vivo até ao fim.
Aclamar o tumulto escuro e bruto.
Encenar o drama clemente e lento.
Sentir um amor ideal por anjos nebulosos.
Descobrir um novo fundo de poesia e aguardar
uma voz que nos ordene docilmente
– Não te movas, nem te inquietes,
nem traias o que
ainda não
és.

poema transcrito do livro Azul Instantâneo, de Pedro Vale, (2020)

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on pocket
Pedro Vale

Pedro Vale

É professor de Português e Inglês. Azul Instantâneo é o seu primeiro livro.

PARTILHAR