Melting Watch, Salvador Dali, 1954

DERRETEM-SE AS MÃOS NAS MEMÓRIAS

Derretem-se as mãos nas memórias,
Que ao fogo ficaram e acabaram por se fazer.
Estendem-se os braços para além daquilo que se é,
Enquanto as horas fogem em passos líquidos,
Como se procurassem um gesto que não é meu. 

Se todas as coisas tivessem os nomes iguais,
Então não nos esqueceríamos das flores,
Nem as colheríamos na fome que se quer ter. 

Se ao menos soubesses quem tu és e aquilo que queres,
Não se evaporavam as vontades nas carnes de pouca dura,
Pois madura é a boca que as consome. 

Se te entregava um abraço na extensão do corpo,
Era porque se aqueciam as lembranças ao fogo,
Mas porque se esqueceu, acabaram a queimar,
Derretendo-se as mãos nas memórias,
Enquanto as horas fugiam em passos líquidos,
Procurando um gesto que não era meu.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on pocket
Sara Martins

Sara Martins

Designer de profissão, "No Avesso das Horas" é o seu primeiro livro (Epopeia Books)

PARTILHAR